Município de Arganil

• Distrito de Aveiro • Distrito de Beja • Distrito de Braga • Distrito de Bragança • Distrito de Castelo Branco •
Distrito de Coimbra • Distrito de Évora • Distrito de Faro • Distrito da Guarda • Distrito de Leiria • Distrito de Lisboa •
• Distrito de Portalegre • Distrito do Porto • Distrito de Santarém • Distrito de Setúbal • Distrito de Viana do Castelo •
• Distrito de Vila Real • Distrito de Viseu • Região Autónoma dos Açores • Região Autónoma da Madeira •



Área - 328 Km2  Feriado Municipal - 7 de Setembro

Freguesias

• Arganil • Benfeita • Celavisa • Cepos e Teixeira • Cerdeira e Moura da Serra • Côja e Barril de Alva • Folques •
• Piódão • Pomares • Pombeiro da Beira • São Martinho da Cortiça • Sarzedo • Secarias •
• Vila Cova de Alva e Anceriz •


Ordenação heráldica do brasão e bandeira
Segundo o parecer da Secção de Heráldica da Associação dos Arqueólogos Portugueses de 24/03/1926
Aprovado pelo Ministro do Interior em 18/05/1934
Portaria n.º 7825, do Ministério do Interior,
p
ublicada no Diário do Governo n.º 115, 1.ª Série de 18/05/1934

Armas De prata com um pinheiro de sua cor, saínte de um terrado de verde realçado de negro, acompanhado por dois crescentes de vermelho. Coroa mural de prata de quatro torres.

Brasão do município de Arganil



Bandeira - Verde tendo por baixo das armas um listel branco com os dizeres a negro: "Câmara Municipal de Arganil". Cordões e borlas de prata e de verde. Haste e lança de ouro.

Bandeira e estandarte do município de Arganil

Bandeira para hastear (2x3)                                                                       Estandarte (1m x 1m)

*Informação gentilmente cedida pela Câmara Municipal de Arganil



Transcrição do parecer

Parecer apresentado por Affonso de Dornellas à Secção de Heráldica da Associação dos Arqueólogos Portugueses e aprovado em sessão de 24 de Março de 1926. Publicado no «Jornal de Arganil» n.º 15 de 6 de Julho de 1926.

Não foi dirigido à Secção de Heráldica da Associação dos Arqueólogos Portugueses o pedido da Câmara Municipal de Arganil para serem estudadas as suas armas e o seu estandarte, não sendo portanto, como parecer formulado em obediência ao determinado pela mesma secção, que estudei o assunto, mas sim por me ter sido feito pedido directo.

Em todo o caso, não quero satisfazer o pedido da referida Câmara Municipal sem vir comunicar o resultado das minhas investigações. O início do estudo foi motivado pelo seguinte amável ofício:

Câmara Municipal de Arganil. N.º 3. Arganil, 8 de Janeiro de 1926. Ao Ex.mo Sr. Affonso de Dornellas. Lisboa. Como V. Ex.ª é uma autoridade em assuntos de arqueologia, tendo conquistado nessa especialidade uma reputação que muito honra o País, vem esta Câmara, abusando da sua bondade que não pode deixar de ser um atributo do seu temperamento de artista, pedir-lhe o favor de a esclarecer sobre o seguinte: A Câmara deste Concelho de Arganil, não tem estandarte e deseja mandar fazê-lo. O brasão das suas armas é uma amoreira, não se sabendo aqui a razão disso. No envelope desta carta vai esse brasão. Onde poderá esta Câmara mandar fazer o estandarte? Poderá V. Ex.ª indicar-lhe a melhor casa no género? Qual a explicação da amoreira do brasão? Deverá o brasão ser modificado? Quais devem ser as cores do estandarte? Na hipótese de o brasão dever ser modificado, em que sentido o deve ser? Desculpe V. Ex.ª este incomodo. A Câmara dirige-se a V. Ex.ª por um natural desejo de acertar e por reconhecer que ninguém com mais autoridade a poderá elucidar. Saúde Fraternidade. O Vice-Presidente da Comissão Executiva (a) Fernando Taborda.

Agradeci as amáveis referências respondi a alguma das perguntas e pedi me esclarecessem se em qualquer época teria havido em Arganil fabricação de sedas, ou plantações de amoreiras.

O Presidente da Câmara Municipal de Arganil, Sr. Adelino Dias Nogueira, para colher os elementos que eu solicitava, dirigiu-se ao Sr. Dr. Veiga Simões, natural de Arganil, diplomata actualmente em Lisboa que por sua vez se me dirigiu repetindo as perguntas que eu primitivamente tinha feito, deduzindo porém da correspondência trocada entre os mesmos Senhores, que nada houve em Arganil, pelo menos que seja do seu conhecimento, que justificasse a existência de uma amoreira nas armas da mesma Vila.

Ora de facto, actualmente pelo menos, usa a Câmara de Arganil de umas armas onde apenas se vê uma arvore sobre um terrado.

Sem referência à espécie da árvore, é lógico que a sua representação figure nas armas de Arganil por ser uma região muito arborizada em que a maioria são pinheiros, havendo também grande quantidade de oliveiras e castanheiros. Como porém há muitas terras de Portugal que tem por principal elemento das suas armas uma árvore, é interessante que qualquer outra peça heráldica, torne distintas as armas de Arganil. Esta Vila teve o seu primeiro Foral em 25 de Dezembro de 1114, quando foi doada aos Bispos de Coimbra por D. Tereza, mãe de D. Afonso Henriques. Foi o mesmo foral registado a folhas 255 verso do «Livro Preto da Catedral de Coimbra».

Depois teve Foral novo dado pelo Rei D. Manuel I em Lisboa a 12 de Setembro de 1514, o qual se encontra registado a folhas 35 verso do «Livro dos Forais novos da Beira», existente na Torre do Tombo.

No mesmo arquivo, sob n.º 2 do maço I da Parte I do Corpo Cronológico existe a minuta do referido Foral novo.

Quando D. Teresa, já viúva do Conde D. Henrique, doou Arganil à Sé de Coimbra, pertencia Arganil aos mouros que parece depois a tornaram a reaver, rezando a História que foi reconquistada por D. Afonso Henriques.

Foi portanto da posse dos mouros que veio para o domínio de Portugal, sendo absolutamente lógico que figure nas suas armas o emblema heráldico que caracterizava os seus antigos possuidores.

Muito grande é a história de Arganil, salientando-se entre os factos mais notáveis nas suas tradições, o ter, D. Afonso V, doado a mesma Vila aos Bispos de Coimbra com o título de Conde, para assim perpetuar o facto de D. João Galvão, Bispo de Coimbra, ter acompanhado o mesmo Rei à África, ajudando-o na tomada de Arzila.

Desde essa ocasião, todos os Bispos de Coimbra tiveram o mesmo título.

Não há porem na história de Arganil qualquer facto que facilmente se possa representar na composição das suas armas, com tanta razão como seja o assinalar que foi tomada aos mouros o que marca a sua existência antes da fundação da Nacionalidade Portuguesa.

Proponho pois que as armas de Arganil sejam assim compostas:

De prata uma árvore verde sobre um terrado da sua cor, acompanhada de dois crescentes vermelhos. –

Coroa mural de quatro torres e bandeira verde de um metro por um lado, tendo por debaixo das armas, uma fita branca com os dizeres a preto: «Vila de Arganil». Cordões e borlas de verde. Haste e lança de prata.

[Affonso de Dornellas.]

(Texto adaptado à grafia actual)

Fonte: DORNELLAS, Affonso de, «Arganil», in Elucidário Nobiliarchico: Revista de História e de Arte, II Volume, Número VI, Lisboa, Junho 1929, pp. 177-182.

Ligação para a página oficial do município de Arganil

 



• Município de Arganil • Município de Cantanhede • Município de Coimbra • Município de Condeixa-a-Nova •
• Município da Figueira da Foz • Município de Góis • Município da Lousã • Município de Mira •
• Município de Miranda do Corvo • Município de Montemor-o-Velho • Município de Oliveira do Hospital •
Município de Pampilhosa da Serra • Município de Penacova • Município de Penela • Município de Soure •
• Município de Tábua • Município de Vila Nova de Poiares •



Heráldica História e Legislação • Index • Heráldica Autárquica • Portugal • A - Z • Novidades • Contacto • Ligações •
• 
Ultramar Português •
Miniaturas (Municípios) Miniaturas (Freguesias) Miniaturas (Ultramar)

Página actualizada em 20-12-2021                                                                                         Page updated on  20-12-2021